Textos

Importantes

A B12 E OS ALIMENTOS

Como essa vitamina é formada ?

A única forma da cobalamina ser fabricada (sintetizada) é através de bactérias.

Portanto, são as bactérias quem produzem a vitamina B12.

Se são as bactérias que produzem a B12, por que ela pode ser encontrada nas carnes e no fígado ?

A presença de vitamina B12 nas carnes se deve ao fato de que os animais ingerem ou absorvem (quando produzidas pelas bactérias do seu trato gastrointestinal) a vitamina (produzida pelas bactérias !!).

A presença de vitamina B12 no leite e nos ovos se deve à passagem dela do animal para as suas secreções.

Aliás, 50 a 90 % da vitamina ingerida pelos animais é estocada no fígado.

A cobalamina não pode ser encontrada em alimentos de origem vegetal ?

Vamos deixar isso bem claro: quem produz essa vitamina são as bactérias !!

Da mesma forma que frango e peixe não são vegetais (você vegetariano já ouviu muito esse tipo de “equívoco”, não ouviu ?), bactérias também não são vegetais.

Plantas não produzem vitamina B12 !!!

Portanto, se existir B12 em qualquer alimento de origem vegetal isso ocorreu por contaminação bacteriana.

OBS – Pode também ocorrer vitamina B12 por contaminação das carnes, mas o alto teor de cobalamina existente nelas se deve à sua presença na própria carne (ingestão e absorção do animal) e não por contaminação.

Nós temos bactérias no intestino grosso. Elas são capazes de produzir B12 para nós ?

Capazes de produzir sim. O problema é absorvê-la.

Os principais microorganismos intestinais que produzem a B12 se chamam actinomices.

Veremos mais adiante que o local que essas bactérias habitam (intestino grosso) é posterior ao local de absorção (60 cm finais do intestino delgado).

Outros estudos mostram que quando há contaminação do intestino delgado por bactérias do intestino grosso ocorre competição pela B12 ingerida.

Não somos ruminantes. Não temos várias câmaras gástricas e nem a mesma abundância de flora desses animais nessas câmaras. Não somos capazes de adquirir a B12 da mesma forma que as vacas.

Portanto: nada feito !! Não confie na sua flora intestinal como suprimento de B12.

 

Vegetarianos ingerem menos B12 ?

Depende da quantidade de produtos animais ingeridos, da higienização dos alimentos e de quem estamos comparando.

Alguns estudos demonstraram que onívoros:
Homens comendo 2400 kcal e 70 g de proteína – ingeriam 5,2 mcg de B12 por dia
Mulheres comendo 1400 kcal e 53 g de proteína – ingeriram 5,6 mcg de B12 por dia
A ingestão de fígado contribuía para essas diferenças.

Ingestão com a dieta vegetariana: 0,25 a 0,5 mcg/dia – proveniente da atividade bacteriana no alimento, água e de derivados de leite ou ovos ingeridos.

 

Atenção !!

 

Dietas fornecendo 0,5 mcg/dia de B12 ou menos estão associadas com uma alta proporção de pessoas com níveis sanguíneos mais baixos dessa vitamina. Não seja teimoso !! Se você é vegetariano, principalmente se é vegano, não dê mole para a B12. Inúmeros estudos demonstram que vegetarianos têm níveis sanguíneos mais baixos de B12.

A Índia é um país pobre onde as condições de higiene são precárias e grande parte da população come com a mão. Tudo a favor das bactérias e da B12.

Um estudo na Índia com 15.000 pessoas, quase todas vegetarianas demonstrou que 54 % tinham baixas concentrações sanguíneas de B12.

Portanto: não confie nas bactérias como fonte de cobalamina !

 

Se eu cozinhar o alimento perderei a B12 contida nele ?

 

A vitamina B12 é termoestável, ou seja, resiste à elevação de temperatura.

Pesquisas demonstram que ela se mantém estável a 100oC por longos períodos.

Portanto ela resiste ao cozimento!  No entanto, a cobalamina é destruída na presença de pH > 9, oxigênio, íons metálicos (Cu, Mo, Mn) e agentes redutores (ascorbato). Com relação à destruição por oxigênio, devemos lembrar que no alimento ela está protegida, pois se encontra ligada aos nutrientes.

 

As fontes de vitamina B12 nos alimentos:

(segundo o Departamento de Agricultura dos EUA)

 

  • Flocos de cereais comprados prontos, enriquecidos, 28 g0,6 a 6,0 mcg

  • Leite de vaca, ½ xícara (125 ml)0,4 a 0,5 mcg

  • Ovo – 1 grande (50 g)0,5 mcg

  • Fermento nutricional (Red Star Vegetarian Support Formula) em miniflocos, 1 colher de sopa (3 g)1,5 mcg

  • Leite de soja ou outros leites vegetais enriquecidos, ½ xícara (125 ml)0,4 a 1,6 mcg

  • “Carnes” vegetais enriquecidas, 28 g0,5 a 1,2 mcg

  • ** Curiosidade: fígado de vaca, 100 g100 mcg

já ouviu falar sobre os análogos da Vitamina B12 ?

Pois é, existem algumas substâncias ingeridas muito parecidas com a vitamina B12, mas que não têm a mesma função dela. São os chamados análogos da vitamina B12. Os análogos da B12 podem ser produzidos por técnicas de preservação de alimentos, pelo cozimento e pela microflora intestinal (as bactérias intestinais). Esses análogos podem interferir com a absorção da B12 verdadeira (atrapalha a sua ligação com uma substância chamada Fator Intrínseco) ou apresentar efeitos tóxicos se absorvidos.

Durante o processo digestivo o nosso organismo tem formas de isolar e remover esses compostos.

 

Alimentos não confiáveis como fonte de B12

 

Alimentos como algas marinhas e espirulina podem conter análogos da B12.

Nem as algas e nem os produtos fermentados de soja podem ser considerados fontes confiáveis de B12.

 

Gestação, lactação e vegetarianismo

 

As reservas de B12 são passadas para o feto nos últimos 2 meses de gestação.

Se a mãe tem baixas quantidades de B12 o bebê nascerá com um estoque baixo.

A deficiência pode ocorrer, principalmente se a mãe que o amamenta não usar suplementação de B12, já que a concentração de cobalamina no leite é equivalente à concentração no sangue da mãe.

 

Mas se há estoque de B12 nas pessoas, por que suplementar a gestante ?

A resposta é simples: estudos demonstram que a ingestão de B12 durante a gestação tem mais influência sobre a quantidade da vitamina que passa para o bebê do que a quantidade do estoque da mãe.

 

Mães vegetarianas (veganas) amamentando oferecem menos vitamina B12 para os seus bebês ?

 

Sim !!! Mulheres com dieta mista (dieta que inclui carne) têm 0,04 mcg/100 ml de vitamina B12 no seu leite.

Mulheres veganas mostram um valor de 3 a 4 vezes menor.

 

Sintomas de deficiência de B12 no lactente:

 

  • Geralmente o desenvolvimento da criança é normal até os 4 primeiros meses de vida.

  • As deficiências se tornam mais evidentes entre 6 e 14 meses de vida.

  • Os lactentes tornam-se irritáveis e letárgicos, recusam alimentos sólidos e são fracos.

  • Param de sorrir, não sustentam a cabeça e não se viram.

  • Torcem as mãos constantemente, ficam hipotônicos (pouco tônus muscular).


  • Os olhos não fixam e nem acompanham os objetos.

  • Podem estar em coma.

  • Pode ocorrer pigmentação anormal do dorso das mãos e em torno das unhas.

  • Ocorre atraso no desenvolvimento, anemia, fígado e baço aumentados.

A concentração sanguínea de B12 é baixa.

** A resposta ao tratamento com B12 é excelente, desde que diagnosticada a tempo.

Crianças vegetarianas

As crianças veganas devem receber uma fonte segura de B12 (suplementação e/ou alimentos fortificados).

 

O metabolismo da Vitamina B12

 

Para compreender melhor a cobalamina precisamos entender o seu metabolismo. Vamos lá ?

Sempre que vamos estudar bioquímica ou fisiologia precisamos primeiro conhecer as regras do assunto. Eis as regras:

  1. Só para relembrar a anatomia, a ordem dos compartimentos na digestão é (em negrito estão os pontos principais para entender a vitamina B12):

  • boca (tem enzimas digestivas e pH alcalino)

  • esôfago (serve apenas como passagem para o alimento). Mede 25 cm.

  • estômago (armazena e digere os alimentos, principalmente protéicos. Tem pH ácido). Mede 25 cm. Produz uma substância chamada fator intrínseco (guarde bem essa informação sobre o fator intrínseco. Ela será necessária para a leitura do resto do texto !!!)

  • Intestino delgado. É dividido em 3 porções:

  1. duodeno (tem cerca de 25 cm, recebe as secreções digestivas do pâncreas e da vesícula biliar e alcaliniza o conteúdo gástrico proveniente do estômago)

  2. Jejuno – mede 2 a3 metros – função de absorção, principalmente.

  3. Íleo – mede 3 a 4 metros – função de absorção, principalmente.

  4. Intestino grosso (Tem cerca de 1,5 m, alta concentração de bactérias e função de absorção de líquidos e outras substâncias)  

  5. quando ingerimos um alimento com B12 precisamos torná-la disponível. Aí entra o processo digestivo. Não existe B12 livre nos alimentos.

  6. É absolutamente necessário haver a produção de uma substância chamada Fator intrínseco. Quem produz o fator intrínseco é o estômago.

  7. A vitamina B12 não consegue ser absorvida sozinha. Para ser absorvida ela precisa estar ligada ao Fator intrínseco. Portanto: se não há Fator intrínseco não há absorção de B12.

  8. O Fator intrínseco só consegue se ligar à B12 em pH alcalino.

  9. A absorção da B12 (ligada ao Fator intrínseco) ocorre no íleo terminal.

 

Vamos ver então como tudo ocorre.

 

Escreverei FI no lugar de Fator intrínseco, ok ?

 

Ao ingerirmos um alimento com B12, precisamos deixar essa B12 disponível para ser ligada ao FI.

Começa a digestão. O estômago é o principal órgão responsável pela liberação da B12 do alimento.

Ok: B12 liberada do alimento no estômago. Vamos unir o FI com a B12. Essa ligação ocorre no intestino (pH alcalino). Agora temos a vitamina B12 ligada com o FI. No final do intestino (nos últimos 60 cm do íleo terminal) esse complexo (FI + B12) é absorvido. Essa absorção também depende de cálcio, pH alcalino (maior que 6) e componentes da bile (composto liberado pela vesícula biliar).

 

O que ocorre depois que a vitamina B12 é absorvida ?

 

Ela é transportada para diversas células.
Ocorrem diversas reações muito complexas.

Dessas reações, o que é interessante saber é que quando há pouca vitamina B12 o nível sanguíneo de 2 compostos ficam elevados.

Esses compostos são o Ácido Metilmalônico e a Homocisteína.

Por que saber isso ?

Porque podemos dosar essas substâncias no sangue. Se encontrarmos os seus valores elevados é possível que haja falta de B12.

O que precisamos saber sobre a absorção dessa vitamina ?

 

Importante: há um limite de absorção para a quantidade de B12 ingerida em uma única refeição.

A explicação se deve ao fato de que os transportadores do FI + B12 ficam cheios (saturados) e não conseguem absorver mais do que a oferta.

 

Quanto podemos absorver em uma única refeição ?
 

Resposta: 1 a 1, 5 mcg.

A capacidade de absorção volta ao normal após 4 a 6 h da primeira dose.

Assim, podemos absorver de 1 a 1,5 mcg a cada 4 a 6 horas.

Portanto, se forem feitas 3 refeições com boa quantidade de B12 podemos absorver 4,5 mcg por dia.

 

O que ocorre depois que a vitamina B12 é absorvida ?

 

Ela é transportada para diversas células. Ocorrem diversas reações muito complexas.

Dessas reações, o que é interessante saber é que quando há pouca vitamina B12 o nível sanguíneo de 2 compostos ficam elevados. Esses compostos são o Ácido Metilmalônico e a Homocisteína.

 

Por que saber isso ?
 

Porque podemos dosar essas substâncias no sangue. Se encontrarmos os seus valores elevados é possível que haja falta de B12.  

 

O armazenamento e consumo da B12

 

Quanto um adulto pode armazenar de Vitamina B12 ?

 

Cerca de 3 a 5 mg. Aproximadamente 50 a 90 % está armazenada no fígado.

Se o estômago for completamente retirado (gastrectomia total) ocorrerá falta do FI.

 

Quanto tempo irá demorar para surgir anemia por deficiência de B12 ?

 

O tempo depende do estoque de B12 que a pessoa tem antes da cirurgia.

Alguns autores demonstraram que isso geralmente demora de 4 a 7 anos.

 

Por que demora esse tempo todo ?

 

O que ocorre é que o organismo tem meios de reaproveitar a vitamina.

O nosso próprio organismo elimina uma pequena quantidade de B12. Ela é lançada no intestino pela vesícula biliar e sai pelas fezes. Ao invés de eliminá-la pelas fezes o nosso organismo consegue colocá-la de volta no organismo. Esse ciclo é chamado de ciclo êntero-hepático (ciclo que leva a vitamina do êntero (intestino) para o hepático (fígado)). Esse ciclo reaproveita 1 mcg/dia de B12, o que corresponde a cerca de 2/3 da vitamina que é excretada por essa vi. Somando os fatos: 


Nosso estoque de B12 – 3 a 5 mg.
Reaproveitamos 1 mcg/d de B12 (ciclo êntero-hepático)

Se não ingerirmos nada de B12 (ou não tivermos mais o FI) os nossos estoques serão suficientes para 2500 dias ou mais.

A deficiência de vitamina B12

Os sinais e sintomas da deficiência de B12

Muitas pessoas que têm anemia megaloblástica (anemia com células grandes, que pode ser devido à falta de B12 ) referem poucas queixas, mas praticamente todas referem melhora após reposição de B12.

Estudo com 95 pacientes com anemia megaloblástica nutricional (todos vegetarianos indianos) foram vistos ao longo de 14 anos. Havia 52 homens e 43 mulheres. Idade dos estudados: 13 a 80 anos. As queixas eram:

Cansaço (33%) 
Respiração curta (25%) 
Perda de apetite (23%) 
Perda de peso (22%)
Dores generalizadas (19%) – geralmente decorrente de 
  deficiência associada de cálcio e vitamina D
Vômito (19%) 
Parestesia – alteração de sensibilidade (11%): sensação
  de formigamento simétrica nos dedos das mãos e pés é 
  um dos sintomas mais comuns. 
Alteração da pigmentação da pele (8%) 
Boca dolorida (7%) 
Diarréia (6%) 
Cefaléia – dor de cabeça (5%) 
Infertilidade (5%) 
Em 6% apenas a deficiência foi vista no hemograma 
  (célula grande – megaloblástica).

Outras manifestações descritas:

Rigidez muscular e fraqueza 
Dificuldade de micção com hesitação, jato urinário fraco
  ou mesmo retenção urinária.
Constipação e hipotensão (decorrente de alteração do 
  sistema nervoso)
Irritabilidade, perturbação de memória, depressão leve
  e até alucinações
Perda de sensação vibratória. 
Músculos definhados

O exame físico pode demonstrar:
Palidez
Língua lisa, careca
Olhos amarelados (em 13% dos pacientes) 
Pode haver reflexos exagerados ou paralisia flácida
Nos casos de anemia grave os pacientes podem ter insuficiência cardíaca: sopro cardíaco, veias do pescoço distendidas, tornozelo inchado e aumento do tamanho do coração.

Entendendo as anemias

Parece que muita gente confunde os tipos de anemia. Vamos esclarecer !

Anemia ferropriva – como o próprio nome diz é por privação, por falta de ferro. A célula fica pequena.

Anemia megaloblástica – é a anemia com célula grande. Como veremos mais adiante, isso pode ocorrer por falta de B12 e/ou B9 (ácido fólico).

Anemia perniciosa – a vitamina relacionada é a B12, mas nesse caso existe necessariamente relação com o FI. A célula também ficará grande (megaloblástica), mas a etiologia (relacionada ao FI) é bem definida e por isso recebe o nome de anemia perniciosa.

Outras anemias: talassemia, falciforme, sideroblástica. Apresentam outras etiologias (não são decorrentes da privação alimentar).

Como pode ocorrer a deficiência por B12 ?

Existem algumas formas de ocorrer deficiência de B12. Vejamos as mais comuns :

  1. Por deficiência alimentar
    Isso só pode ocorrer se não houver ingestão de alimentos de origem animal (carnes, ovos e lácteos); portanto nos veganos.

  2. Distúrbios da absorção de B12

  • Má absorção da cobalamina alimentar
    Ocorre em pessoas com pouca secreção de ácido no estômago (lembra-se de que a B12 precisa ser separada do alimento e isso ocorre principalmente no estômago ?).
    Essa situação é mais comum em idosos (podem apresentar hipocloridria – pouco ácido no estômago). Pode ocorrer também em pacientes que tiveram o estômago retirado em cirurgias (tumores, por exemplo).

  • Insuficiência pancreática
    Altera a secreção do pâncreas e dificulta a ligação da B12 com o FI. 
    Esse tipo de alteração pode ser decorrente do alcoolismo.

  • Alteração no funcionamento do FI (Fator Intrínseco)
    Alguns indivíduos podem ter alterações no sistema imunológico fazendo com que as suas células de defesa destruam outras células benéficas do próprio organismo. Isso se chama alteração auto-imune com produção de auto-anticorpos.
    Pois bem, isso pode ocorrer com o FI. O organismo cria anticorpos que destroem ou atrapalham a absorção do FI.
    Sem FI disponível não conseguimos absorver a B12.
    Esse tipo de anemia se chama anemia perniciosa.

  • Infestação de bactérias no intestino delgado
    A contaminação de bactérias do intestino grosso no intestino delgado chama-se “Síndrome do intestino delgado contaminado”. 
    As bactérias intrusas competem com o nosso organismo para consumir a B12 que chega ao final do intestino delgado (lembre-se que a absorção do FI+B12 ocorre nos 60 cm finais do intestino delgado).
    Esse tipo de complicação pode ocorrer em pessoas com divertículos (com estagnação), passagem anormal do cólon para o delgado (fístulas) ou estreitamentos intestinais (doenças inflamatórias intestinais).
    Para que isso ocorra a concentração de bactérias no intestino delgado precisa ser maior do que 105 microorganismos por dl.
    **OBS – o intestino grosso tem 10.000 vezes mais bactérias do que qualquer outra região do trato gastrointestinal.

  • AIDS
    Pacientes com AIDS apresentam concentrações sanguíneas mais baixas de B12. Ao que tudo indica isso pode ser devido à falha de absorção do FI+B12 no intestino.

  • Ressecção intestinal
    Pacientes que realizaram cirurgias e não têm mais o final do intestino delgado podem desenvolver deficiência.

  • Doenças que cursam com má absorção alimentar Aqui são incluídas diversas condições ou doenças que podem causar má absorção (não apenas de B12). Exemplos: sensibilidade ao glúten, lesão por radiação (radioterapia para pacientes com câncer em região abdominal).

O que ocorre na deficiência de vitamina B12 ?

As principais manifestações são duas: a anemia megaloblástica e a neuropatia (doença dos nervos). Já vimos os diversos sinais e sintomas acima.

Outras associações que ocorrem na deficiência: ateroma (acúmulo de placas de gordura nos vasos sanguíneos), defeito de formação do tubo neural (alteração que faz com que crianças nasçam com sérias alterações na coluna vertebral e paralisia das pernas irreversível), esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado).

Vamos ver tudo isso passo a passo ?

Anemia megaloblástica

Mega é grande. Blasto é célula.
Portanto: anemia de célula grande.

A regra:

A vitamina B12 e B9 (ácido fólico) são necessárias para a duplicação do DNA.

Toda célula, antes de se dividir, cresce. O DNA precisa se duplicar para depois ser dividido.

Quando falta B12, além dela própria em falta, não é possível entrar B9 na célula.

Assim a célula cresce (o blasto fica mega) e não consegue se dividir.

 

Neuropatia (doença dos nervos) associada com deficiência de B12

O nosso sistema nervoso pode ser comparado com um sistema elétrico onde os nervos são os cabos por onde a eletricidade passa.

Ao redor dos nossos nervos existe uma “capa de gordura” (bainha de mielina) que é fundamental para a passagem do estímulo nervoso e proteção do nervo.

Na falta de B12 ocorre defeito nessa “capa de gordura” (desmielinização), levando a alterações de sensibilidade.

Ateroma (placas de gorduras)

A falta de B12 é um fator de risco para doenças cardíacas (infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral).

Quando há falta de B12 ocorre aumento de uma substância chamada homocisteína, que é fator de risco independente (não precisa se associar a nenhum outro fator de risco) para doenças cardíacas.

Na falta de B12 ocorre maior formação de placas de gordura em vários vasos sanguíneos. Isso causa maiores chances de ter um infarto ou um “derrame” cerebral.

Defeitos do Tubo Neural

Já vimos que essa vitamina é fundamental para a divisão das células e para a integridade dos nervos.

Isso é crucial no desenvolvimento intra-uterino.

Na falta de B12 e B9 (ácido fólico) o risco dessa má formação é muito grande.

A criança pode nascer com perda total de sensibilidade e movimentação das pernas, retenção urinária, alterações na estrutura da coluna vertebral … Tudo isso é irreversível já ao nascer !!

Gestantes vegans :
Atenção !!! Suplementação é indiscutível !!

 

Esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado)

A falta de B12 causa alterações metabólicas que evoluem com acúmulo de gordura no fígado.

Esse tipo de alteração é comum em etilistas de longa data.

O diagnótico da deficiência de B12

Como saber se estou com deficiência de B12 ?

Fique atento aos sinais e sintomas da deficiência vitamínica.

Porém isso apenas não é suficiente.

O diagnóstico de deficiência de B12 não pode ser feito baseado apenas nos sinais e sintomas de um indivíduo.

É obrigatório a constatação com exames laboratoriais !!

Muitos estudos demonstraram que cerca da metade dos indivíduos que têm a vitamina B12 em níveis baixos no sangue não apresentam sintomas consideráveis.

Acompanhamento médico é fundamental.

Quais são os exames 
laboratoriais que podemos utilizar ?

Alguns exames podem auxiliar no diagnóstico.

Hemograma:
Pode demonstrar a anemia (hemoglobina e hematócrito reduzidos) e o tamanho da célula (a parte do hemograma que mostra o tamanho é o VCM – volume corpuscular médio). 
Se a anemia se torna mais grave ocorre diminuição das células de defesa (neutropenia) e das plaquetas (trombocitopenia).

Atenção !!! Pessoas com baixa concentração de B12 no sangue podem mostrar células de tamanho normal. Portanto: hemograma normal não significa B12 normal no sangue !!
No entanto, é raro encontrar deficiência clínica importante de B12 sem alteração no hemograma.

Lembra daquele estudo comentado anteriormente da Índia com 15.000 pessoas, quase todas vegetarianas que demonstrou que 54 % tinham baixas concentrações sanguíneas de B12 ? Esse estudo demonstrou que apenas 10 pacientes por ano eram vistos no hospital local com anemia megaloblástica.

Reticulócitos:
São as células vermelhas jovens. Na deficiência de B12 os seus níveis sanguíneos ficam reduzidos (para o grau da anemia).

Dosagem de B12 no sangue:
É o método padrão para diagnosticar deficiência de B12 (definida quando o valor está abaixo de 150 pg/ml). No entanto já foi observado deficiência em pessoas com níveis normais de B12 no exame (valores de 200 a 300 pg/ml).

** Estudo realizado em Londres demonstrou que os níveis sanguíneos de 1.000 amostras consecutivas de indianos (predominantemente vegetarianos) eram em média de 198 pcg/ml. Os níveis encontrados em caucasianos com dietas mistas eram em média de 334 pcg/ml. ** As concentrações sanguíneas de B12 foram baixas em 54 % dos 15.000 indianos (predominantemente vegetarianos) estudados.

Ácido Metilmalônico:
Na deficiência de B12 ocorre aumento do ácido metilmalônico (esse aumento não ocorre na deficiênciia de B9). Esse aumento pode ser detectado no sangue e na urina.
Antibióticos podem reduzir e a doença renal pode aumentar o nível sanguíneo desse ácido. Valores normais: 0,1 a 0,4 micromol/l. Na deficiência de B12: 50 a 100 micromol/l.

Homocisteína: 
Se eleva na deficiência de B12 (e também na de B9 e B6). Algumas doenças como hipotireoidismo e doença de Down podem alterar o nível desse composto.

Teste de supressão com desoxiuridina :
Utiliza-se as células da medula óssea. O teste é de relativa dificuldade técnica na execução. Atualmente está restrito à área de pesquisa. Consegue diferenciar a causa (falta de B9 ou B12).

Holotrascobalamina II: 
É a proteína que transporta a B12 no sangue. Não é realizado no Brasil. Apenas 1 laboratório em São Paulo faz a coleta desse exame e o envia ao exterior. Como você pode imaginar, é extremamente caro.

Dosagem sanguínea de anticorpo anticélula parietal e de anticorpo bloqueador do fator intrínseco:
Serve para diagnosticar a anemia perniciosa. O anticorpo bloqueador do FI é mais específico (praticamente não existem indivíduos sem anemia perniciosa com exame positivo).

Dosagem de folato (vitamina B9) no sangue: 
Pode ser usado na dúvida da etiologia da anemia (B 12 ou B9).

Atenção !! Todo exame laboratorial deve ser corretamente interpretado com a associação do quadro clínico e dos outros exames laboratoriais.

Como você viu acima pode ser um pouco complicado o diagnóstico por apenas um exame ou pelo quadro clínico.

Apenas um médico com experiência na área pode avaliar com precisão esses exames e associá-los com as alterações clínicas.

Os idosos podem ter valores diferentes

Estudos com idosos que tinham neuropatia (doença dos nervos) demonstram que eles podem ter hemograma normal e concentração sanguínea de B12 normal.

No entanto, a concentração de ácido metilmalônico estava elevada e se reduzia após a oferta de B12.

Isso sugere que idosos devem ser muito bem avaliados, pois podem estar com deficiência mesmo com alguns exames dentro dos valores normais.

Como fazer o diagnóstico de deficiência de B12 ?

O diagnóstico depende de 2 condições:

  1. estabelecer a deficiência de B12 em uma pessoa cuja alimentação é desprovida da vitamina;

  2. excluir a deficiência de B12 decorrente de má absorção (anemia perniciosa, crescimento excessivo de bactérias no intestino delgado, ressecção intestinal…)

Resumindo: precisamos saber quanto o indivíduo está ingerindo e quanto está absorvendo.

Para se ter uma idéia da importância de saber exatamente sobre a ocorrência ou não dessas 2 condições, vejamos o resultado de um estudo realizado com indianos vegetarianos com deficiência de B12:

  • 95 tinham deficiência nutricional de B12, ou seja, não ingeriam quantidade suficiente;

  • – 20 tinham anemia perniciosa (não absorviam adequadamente);

  • 4 tinham anemia megaloblástica associada com falta de vitamina B9 (ácido fólico). Dois desses indivíduos devido ao uso de álcool em excesso e 2 em gestantes.

Assim, oferecer vitamina B12 por via oral será eficiente apenas nos indivíduos que têm carência alimentar sem distúrbio de absorção.

OBS – a dieta vegetariana é rica em vitamina B9 (ácido fólico). Isso pode mascarar a deficiência de B12, que muitas vezes só é diagnosticada quando surgem alterações no sistema nervoso. A deficiência de B9 causa manifestações muito parecidas com as da deficiência de B12, exceto pela neuropatia (não ocorre na falta de B9).

Por tanto, no caso de vegetarianos é sempre recomendado dosar a homocisteína sanguínea (sérica), o ácido metilmalônico e a holotranscobalamina II. 
OBS- como já vimos anteriormente, a dosagem da holotranscobalamina II não é factível em nosso meio.

Medicações que afetam a absorção da vitamina B12

As seguintes drogas reduzem a absorção da B12: colchicina, neomicina e anticoncepcionais (usados por via oral).
O álcool também reduz a sua absorção.

Tratando a deficiênica de B12

O tratamento da deficiência de B12

Como vimos anteriormente todos os pacientes com deficiência de B12 que não tem deficiência alimentar têm má absorção.

Também vimos que mesmo pacientes veganos com baixa ingestão de B12 podem ter anemia perniciosa, o que significa que o problema está também na absorção da B12.

Isso precisa ser diagnosticado !!!

Regra do tratamento:

  1. Quem consegue absorver B12 pode ser tratado com B12 por via oral. Não há problemas se optarmos em repor a vitamina de forma injetável.

  2. Quem tem problema de absorção de B12 deve receber a vitamina injetável (intramuscular). Oferecer a cobalamina via oral não é conveniente.

A injeção (tratamento quando há deficiência):
Utilizar a cianocobalamina (forma mais estável, produzida por fermentação bacteriana) ou a hidroxicobalamina intramuscular.

Dose: 1.000 mcg por dia por 1 semana; seguido por dose de 1 mcg em dias alternados até a normalização da hemoglobina e do hematócrito (correção da anemia).
Se existe manifestação neurológica: manter 5.000 mcg a cada 2 semanas nos primeiros 6 meses.
Na anemia perniciosa o uso intramuscular da vitamina deve ser por toda a vida. Dose: 1.000 mcg por mês no primeiro ano, seguido de 5.000 mcg por ano. (Fonte: Atualização Terapêutica, 2003).

Monitorização laboratorial: a cada 6 ou 12 meses.

OBS- Biodisponibilidade da B12 quando aplicada de forma endovenosa ou intramuscular: 16 a 28 %.

No tratamento por via oral (apenas quando a causa da deficiência é devida à privação alimentar de B12) foi demonstrado que o uso de 5 mcg uma vez ao dia conseguiu normalizar os níveis sanguíneo da vitamina.

O tratamento da anemia por falta de B12 com cobalamina por via oral não é recomendado na literatura médica, talvez pelo fato de que a maior causa de anemia por deficiência de B12 não seja devido à deficiência alimentar.

OBS- A B12 é absorvida ligada ao FI, mas existe uma outra forma de absorção chamada difusão passiva. Nesse caso, altas doses de B12 passariam do intestino para o sangue por si só (sem o FI). A absorção passiva ocorre com 1% da vitamina ingerida.
O uso de altas doses para conseguir aproveitar a B12 dessa forma não é recomendado.

Quando menos de 5 mcg de B12 cristalina é ingerida de uma só vez, cerca de 60% é absorvida.
Quando se usa uma dose de 5000 mcg, cerca de 1% é absorvida.

Não há relato de toxicidade pelo uso excessivo de B12.

O que é um teste terapêutico ?

Muitas vezes não temos recursos diagnósticos (dosagem de B12, homocisteína, ácido metilmalônico …) para diferenciar a causa (falta de B12 ou B9) da anemia megaloblástica.

Nesses casos podemos “testar”um tratamento, desde que a deficiência não esteja em grau avançado.

Inicialmente aplica-se uma dose única de 1.250 mcg de B12 intramuscular. Após 5 a 8 dias repete-se a dosagem da hemoglobina, hematócrito e reticulócitos. Se a deficiência era devido à falta de B12 ocorrerá aumento importante do número de reticulócitos (reticulocitose) e às vezes discreta melhora da anemia.

Não havendo resposta ao uso da B12 utiliza-se o ácido fólico (B9).

Não havendo resposta a nenhum dos dois é necessário uma investigação especializada com um hematologista.

A resposta após o tratamento com B12.

Havendo deficiência real de B12 os indivíduos referem uma notável sensação de bem estar dentro de 1 a 2 dias após uma injeção de cobalamina. Também relatam um aumento dramático do apetite.

Neste ponto, atenção !! O aumento do apetite após a suplementação de B12 ocorre em quem tem deficiência de B12 !!

Daqui provavelmente surgiu o mito de utilizar vitaminas do complexo B para aumentar o apetite. Se o indivíduo não tem deficiência não ocorrerá aumento do apetite !!

Ainda avaliando a resposta ao tratamento, ocorrerá uma maior produção de células vermelhas. Isso será evidenciado pela elevação das suas células jovens (reticulócitos), que atingem o seu máximo em 5 a 7 dias após o início do tratamento.

A manutenção da vitamina B12

Recomendação da ADA, 2003 para indivíduos vegetarianos:

“É essencial que todos os vegetarianos tomem um suplemento, usem alimentos enriquecidos ou consumam laticínios ou ovos para atingir a ingestão recomendada de vitamina B12.”

Quanto devo ingerir de suplementos ou alimentos fortificados ?

Resposta : devemos ingerir a quantidade de B12 recomendada por dia (veja o tópico: quanto precisamos dessa vitamina por dia ?), ou seja, cerca de 2,4 mcg para adultos.

Dificilmente você vai encontrar um suplemento com baixa quantidade de B12. O uso de cerca de 5 mcg/dia conseguiu normalizar os níveis sanguíneos dessa vitamina em pessoas com deficiência em alguns estudos. Portanto, para manutenção, talvez não seja necessário utilizar mais do que essa dosagem.

Não há problemas se a ingestão for maior, já que não existem relatos de toxicidade com o uso de altas doses dessa vitamina.

A recomendação utilizada pela IVU (orientação revisada por Stephen Walsh) é absolutamente coerente :

  1. Ingerir alimentos enriquecidos 2 ou 3 vezes por dia para obter pelo menos 3 mcg de B12, ou

  2. Tomar um suplemento de B12 diariamente que forneça pelo menos 10 mcg de B12, ou

  3. Tomar um suplemento semanal de B12 que forneça pelo menos 2.000 mcg.

A ingestão de alimentos fortificados com B12 para veganos seria uma opção. No Brasil essa abordagem nutricional não é muito utilizada pelos fabricantes de alimentos. Diversos produtos da Nestlé são fortificados com B12 no Brasil.

Importante: 10 a 30% dos indivíduos (com qualquer tipo de dieta, inclusive com carne) com mais de 50 anos têm dificuldade de extrair a B12 dos alimentos. A Food and Nutrition Board recomenda que todos os indivíduos acima dessa idade, vegetarianos ou não, utilizem suplemento de B12 ou alimentos enriquecidos.

Indivíduos que utilizam a vitamina B12 também devem realizar exames laboratoriais periodicamente. Essa precaução é valida na medida que não é apenas a deficiência de ingestão que causa a deficiência da vitamina. Lembre-se que outros problemas decorrentes de distúrbio de absorção podem ocorrer em qualquer pessoa.

Indivíduos veganos (adultos, não gestantes nem em lactação) que optem em não utilizar suplementação devem necessariamente ser acompanhados por um médico ou nutricionista com prática na interpretação dos exames laboratoriais para que seja feita intervenção nutricional caso necessário. Mas lembre-se o recomendado é fazer uso da suplementação !!

O mesmo se pode dizer aos que utilizam a suplementação oral esporadicamente.

Gestantes e mães amamentando: sem discussão !!! Suplemento e/ou uso de fontes confiáveis (alimentos enriquecidos) de B12 !!!! Dosagem laboratorial também !!!

Crianças também devem ingerir fontes confiáveis da vitamina.

Sou vegano e, ocasionalmente, ingiro derivados de leite. Preciso suplementar a B12 ?

Sim !!!

O consumo ocasional de leite, queijos e ovos não supre as necessidades de cobalamina.

Ovo-lacto-vegetarianos podem conseguir quantidades adequadas se utilizarem os derivados animais regularmente.

Alguns vegetarianos dizem que se você não utiliza alimentos refinados (açúcar branco, arroz branco, farinhas brancas) nem aditivos químicos ou medicações como antibióticos, a sua flora pode produzir a B12 que você precisa. Somado a isso, o uso de produtos fermentados (como o missô), forneceriam a dose de B12 que você precisa.

Não se deixe levar por essa
falta de conhecimento !!!!

Pelos inúmeros motivos descritos anteriormente nem a sua flora e nem qualquer alimento de origem vegetal (nem algas e nem fermentados !!!) são capazes de suprir adequadamente a vitamina B12.

A ciência está à nossa disposição para termos mais segurança no desenvolvimento e na manutenção da nossa saúde.

Seja coerente.

Autor: Dr Eric Slywitch
e-mail: dr.eric@guiavegano.com

Curiosidade

Morcegos de fruta obtêm B12 pelo consumo inadvertido (o bicho é ceguinho !!) de insetos nas frutas.

Morcegos mantidos em cativeiro recebendo uma dieta com frutas limpas (lavadas) morrem de neuropatia (doença dos nervos) decorrente de falta de B12 em 9 meses.

 
 

Enema / clister de café

Indicado na Terapia Gerson para desintoxicar o fígado 

 

Para o enema (clister) de café, é necessário:
-café biológico/orgânico com moagem média
-água purificada por osmose inversa (sem UV), ou por destilação (água destilada para uso alimentar)
-1 recipiente de enema de mais de um litro
-tubo e cânulas limpas e desinfectadas

-pôr 1 litro de água osmotisada ao fogo
-quando começa a ferver, pôr o fogo o mais brando possível
-juntar 3 colheres de sopa cheias de café moído
-deixar a infusão dar-se durante 20 minutos
-filtrar a água por um passador com um tecido de algodão bem limpo
-juntar água osmotisada até pre fazer 1 litro novamente (para compensar a água que se evaporou durante a infusão)
-deixar amornar
-quando está à temperatura do corpo está pronto a usar
(pode-se fazer mais quantidade do que um litro e guardar na geladeira num recipiente hermético.
Pode fazer um concentrado e depois juntar a água necessária no momento de usar)

Para aplicar o enema, deve:
-ter a infusão de café à temperatura do corpo
-por a infusão no recipiente de enema
-colocar o recipiente a cerca de 50 cm de altura
-deitar-se numa posição confortável sobre o lado direito do corpo
-inserir a cânula no ânus cerca de 5 cm
-abrir a torneira do clister
-deixar a infusão penetrar suavemente (ajustando a cânula conforme for necessário para o fluxo de água se dar)
-descontrair barriga e ânus
-respirar normalmente
-se sentir demasiada pressão, feche a torneira uns instantes e depois volte a reabrir
-quando a totalidade (1 litro) de infusão penetrou no intestino feche a torneira e retire a cânula
-mantenha-se na posição durante 12 a 15 minutos
-passado esse tempo evacue (sentirá um “agradável” cheiro a café )-nas primeiras vezes 2 a 3 dias pode-se fazer o enema com 50% de chá de camomila e 50% de chá de café.

A origem das doenças

         Vamos partir de um conhecimento já estudado por diversos pesquisadores que comprovaram por experimentação que as causas primárias das doenças que ocorrem no corpo físico dos seres humanos, tem sua origem nos corpos emocionais e mental.  O termo doenças psicossomáticas já tem sido usado na área médica para explicar diversas doenças que tem causas visíveis nas emoções e desequilíbrios psicológicos.

          Podemos exemplificar através de um determinado caso de pacientes que apresentam padrão de ansiedade ou compulsão, apresentando um quadro de obesidade e sobre peso. Está compulsão ou a ansiedade não deve ser avaliada como a causadora da obesidade, mas sim existe algum conflito psicológico não resolvido que gerou esta ansiedade. Pode ser o caso de uma carência emocional com falta de contato humano ou falta de amor e carinho que será compensado com alimentos principalmente os doces.

          As causas psicosomáticas do câncer foram pesquisadas pelo medico alemão Dr. Hammer, que desenvolveu a sua teoria chamada Nova Medicina, através da sua pesquisa com milhares de pacientes portadores de câncer, pode observar através de tomografias computadorizadas que havia sempre uma área do cérebro com lesão. Pelas entrevistas foi possível identificar os padrões de conflitos destes pacientes e comprovou que os mesmos tipos de câncer provem de conflitos semelhantes e possuem as mesmas áreas do cérebro afetadas.

            Foi possível então enunciar sua teoria. A existência de um conflito emocional ou mental, que não é solucionado e perdura por muito tempo inclusive anos, gera uma pressão psicológica no cérebro afetando determinada área deste. Exemplificando é como um pica-pau atormentando por muito tempo até que ocorre  uma micro lesão, a qual o cérebro não pode resolver, ocorre então uma descarga para determinada área do corpo que tem ligação com esta parte cérebro e com o tipo de conflito não solucionado. Este raciocínio apresenta uma grande coerência pois comprova a ligação entre os diversos corpos do ser humano. O corpo físico tem uma ligação com os corpos espirituais ou seja o corpo emocional e o mental, através do corpo etérico, e sua ligação entre eles ocorre pelo sistema nervoso, o qual apresenta a sensibilidade necessária para fazer a ligação entre os diversos corpos.

             Outro médico que pesquisou a cura das doenças psicossomáticas foi o Dr. Edward Bach, que criou a terapia floral através dos Florais de Bach. Através de sua prática médica havia observado que as pessoas curavam-se das doenças para logo depois voltarem a apresentar os mesmos sintomas. Deduziu então que as doenças tinha causas além do corpo físico, ou seja padrões de desequilíbrios psicológicos, que são básicos no comportamento humano. Identificou diversos padrões como medo, trauma, ira, ressentimento, ansiedade, tristeza, depressão e outros. Pela sua própria vivência pessoal, através de uma doença que teve, pode observar em si mesmo estes fundamentos da sua teoria. Desenvolveu então um conhecimento descrito em seu livro chamado Cura-te a ti mesmo no qual caracteriza a responsabilidade pessoal de cada individuo perante a sua própria cura. Afirmando que a cura verdadeira só pode ocorrer de dentro para fora, através da ação da energia vital do ser, que deve ser auxiliada pela ação da vontade, através da resolução de todos os conflitos psico-emocionais.

           Foi então que o Dr. Bach recebeu o conhecimento dos florais, através de suas meditações. Pode estudar  diversas plantas da sua região que apresentam propriedades terapêuticas para equilibrar padrões psico-emocionais. Assim foi entregue aos homens a possibilidade de acessar os conflitos com medicamentos de flores e auxiliar a cura das doenças através da cura simultânea das doenças do corpo físico e dos corpos espirituais, como o corpo emocional e mental. Após este evento, surgiram por todo mundo diversos outros florais, que permitem acessar as características das flores de diversas regiões, favorecendo e ampliando muito o potencial terapêutico das Essências Florais. No Brasil temos os florais de Minas, do Cerrado, da Amazônia, de Gabriel, em outros países existem o da Califórnia, do Alasca, da Austrália, do Deserto, de Saint Germain e outros mais.

            A pesquisa das doenças psicossomáticas foi elaborada e aprofundada pelo Dr. Rüdiger Dahlke, através de sua prática terapêutica. Verificou em seus estudos que a doença é um caminho encontrado pela alma para que o Ser possa levar até a consciência os conflitos não solucionados e que estão afetando a saúde. Em seu livro A Doença com Símbolo faz uma correlação de uma serie de doenças e seus sintomas com as possíveis causas psicossomáticas. Ao realizar a interpretação dos símbolos propostos pelas doenças, identifica-se as causas verdadeiras e a partir daí pode-se realizar uma transformação a nível de consciência para poder solucionar tanto os conflitos quanto as doenças físicas.

            Podemos afirmar que os seres humanos se encontram em um processo de evolução espiritual permanente e que para permitir esta evolução devemos entender como ela ocorre. Quando estamos conscientes desta evolução podemos auxiliar para que ocorra naturalmente, afirmamos que estamos conectados com o Ser Supremo e este guia nosso Ser. Quando não temos esta conexão estamos entregues aos caminhos mundanos que não passam pela consciência. Nossa alma sabe qual o melhor caminho a ser percorrido e muitas vezes ela participa do evento evolutivo, enviando um sinal, sintoma ou desequilíbrio, que ao ser decifrado, solucionado ou no caso de uma doença, ser curado, deverá levar a um aprendizado. Este aprendizado é o resultado esperado para favorecer o processo de evolução deste Ser, que agora se conecta com o Ser Supremo, também chamado de EU Superior.

Wellington Lee Schetinger

Farmacêutico, acupunturista, fitoterapêuta

 
 

Jejum Espiritual 

Dr. Gabriel Cousens

Continuamente me sinto inspirado pelo incrível poder de cura do jejum de sucos verdes e pelo poder de auto-cura do jejum espiritual. O suco verde de vegetais orgânicos limpa o corpo e a mente e alimenta o espírito; ele permite que o corpo físico se purifique a fim de se tornar um perfeito veículo para a energia cósmica divina. O resultado final de 7 dias de jejum espiritual com suco verde orgânico é a melhora em todos os níveis da energia do corpo e aumento da espiritualidade.

A sociedade atual se apoia na alimentação como um mecanismo de alívio e como um meio de suprimir a realidade das nossas emoções negativas. A crença de que não é possível ficar sem comer pode criar um pouco de receio e ansiedade, mas na verdade a maioria das pessoas não sabe como é fácil fazer um jejum. O normal nos nossos grupos de jejum de suco verde é a surpresa de como é tranquilo fazer um jejum e como de fato nem sequer sentimos fome. O apetite desaparece após os primeiros dias, e a ligação emocional com os alimentos tende a diminuir. A mente fica livre para experimentar estados mais elevados de comunhão com o Divino.

Quando as cargas de toxinas no nível celular, mas também emocional, caem, a consciência tende a se expandir e níveis espirituais mais altos são alcançados. O programa de Jejum Espiritual do Tree of Life é um programa de limpeza do corpo e rejuvenescimento não invasivo que acelera processos de desintoxicação a 200-400%. Durante o programa não vemos grandes crises de desintoxicação como quando se faz um simples jejum. Com o programa de expansão da consciência e contato espiritual a parte física do jejum tende a ficar mais fácil. O Jejum Espiritual nos leva a outro nível de liberdade e auto confiança; ser livre da dependência de alimentos é extremamente libertador. O Jejum do Tree of Life não é uma privação, mas sim alimentação pelas forças da natureza.

A principal diferença entre um simples jejum e o programa de Jejum Espiritual é a intenção de não apenas eliminar toxinas físicas, mas também trazer a cura para todos os níveis do ser de forma consciente. Esse processo purifica não apenas o corpo físico, mas também os outros corpos do ser humano: o emocional, o mental e os corpos espirituais. O estado de purificação completa afeta nossa qualidade de vida após o jejum, afeta aquilo que escolhemos viver e experimentar no mundo.

Durante o Jejum Espiritual aquietamos a mente através da oração e da meditação, e entramos no eterno presente, além do tempo. Esse estado conduz à diminuição da ansiedade (projeção para o futuro), e mágoas (apego ao passado). Esse processo cria a possibilidade de um renascimento tanto da mente quanto do corpo, por estar mais purificado.

O Jejum Espiritual também acelera a nossa capacidade auto-curativa em todos os níveis, pois as forças naturais de cura assumem o controle. No processo do jejum espiritual muitos bloqueios são removidos, e o Divino se manifesta. Quanto mais entramos em contato com o Divino mais nos motivamos a viver um estilo de vida que nos fará continuar a aumentar o nosso desenvolvimento espiritual. O Jejum Espiritual é o elixir da vida, o renascimento da alegria e da saúde, é estar em contato com a Presença Divina que nos permite lembrar quem realmente somos.

http://www.treeoflifedobrasil.com.br/novosite/articles-detail.php?idartigo=1

 

  Foi no jardim do cerrado que busquei inspiração para a VIDA que acredito SER verdadeira. No cerrado virgem vi a beleza de DEUS, manifestada na TERRA. As ervas, flores, árvores, pássaros, insetos, tudo vivo, em harmonia, vivendo como deve ser.

         NÓS precisamos aprender o que a natureza tem para ensinar, devemos sentir e agir. A ALMA da natureza é quem nos cura, revigora e renova. A CURA é interna com vontade pessoal e externa no convívio com um ambiente natural.

          Quem não exulta num banho de CACHOEIRA, no passeio na mata, ao comer fruta madura, beber água da fonte, respirar o ar da montanha, ao meditar e contemplar a imensidão do CERRADO.

           PARAÍSO que sobrou, precisa ser preservado, vamos decretar moratória da terra, da água, das árvores, das ERVAS medicinais, do ar e dos alimentos.

            Preservar o cerrado é salvar vidas dos filhos, netos e pais, da fauna e flora, é a BIODIVERSIDADE que nos traz felicidade. A natureza é quem nos garante a tão desejada QUALIDADE DE VIDA, nos dá PAZ, calma, saúde, força para viver. O cerrado DOA, barú, pequi, caju, arnica, jatobá, velame, carobinha, mama cadela, jurubeba.

             Para termos vida digna de seres humanos, o preço a pagar é pequeno, o esforço é mínimo, basta deixar tudo como está. A natureza regenera, pois tem vida, o planeta terra respira, sente, exala, responde, é GAIA, a MÃE TERRA. O momento é agora, precisamos de todos em união.

              O cerrado de Pirenópolis encanta com a beleza das serras e morros, com as arvores tortas pela força da natureza. A água mineral desce nos córregos, fria para saciar a sede, um banho que purifica a alma, o corpo e a mente. A natureza do Rio das ALMAS,  parece que chama para um banho na hora do calor, para esfriar o corpo e renovar as energias.

               As Arnicas da serra dos PIRINEUS, quase extintas lutam para viver, junto com o barbatimão, os ipês, aroeiras, angicos e outras. E as frutas cagaitas, mangabas, cajuzinho, veludinho, gelol, alimento das maritacas, dos pássaros pretos, bicos de brasa, são tantos pássaros que moram por aqui.

                O que esta natureza tem que todo mundo quer? Por que todos querem morar aqui, sair de Brasília, Goiânia, São Paulo, Rio, Argentina, França, Itália, Espanha, Alemanha, são tantos lugares que não dá para falar.

Por que Pirenópolis ENCANTA. Que beleza atrai como imã as pessoas, sensíveis, que buscam viver, ter paz, saúde, alegria, segurança para criar os filhos. A resposta está no fundo da alma humana, precisamos nos reencontrar com Deus, precisamos de um caminho, junto da natureza, e aqui é um lugar onde isto é possível.

Autor Wellington Lee Schetinger

 

Câncer não é uma doença

Câncer não é uma doença – é um mecanismo de sobrevivência

Por Andreas Moritz

Nota: Embora o autor, Andreas Moritz tentou dar uma compreensão profunda dos temas discutidos e para garantir a precisão e integridade de todas as informações, é apenas para fins informativos. Andreas,  e o editor do livro  não assumem nenhuma responsabilidade.

Introdução

Este livro é para aqueles que são suficientemente abertos a considerar a possibilidade de que o câncer e outras doenças debilitantes não são doenças reais, mas tentativas desesperadas e finais pelo corpo para permanecer vivo por tanto tempo quanto as circunstâncias o permitam.

Você pode estar chocado ao saber que uma pessoa cresce células cancerosas, a fim de mantê-los de morrer das causas reais da doença. Câncer só ocorrerá após principais mecanismos de defesa ou de cura do corpo já falharam.

Há uma falta de conhecimento sobre as razões por trás do crescimento do tumor, que causaram a visão atual que as células cancerosas são monstros cruéis que não têm outra finalidade, mas para torturar e matar-nos. Na verdade, o câncer é a nosso favor, e não contra nós.

Se você tem câncer, o câncer é parte de respostas de sobrevivência complexas do corpo e não uma doença, como sugerido neste livro, é essencial para fazer as seguintes perguntas importantes:

  • Que razões fazem seu corpo  desenvolver  células cancerosas?

  • Depois de ter identificado estas razões, você será capaz de removê-los?

  • O que determina o tipo e a gravidade do câncer com o qual você está aflito?

  • Se o câncer é um mecanismo de sobrevivência, o que precisa ser feito para impedir que o corpo a recorrer a tais medidas drásticas de auto-preservação?

  • Desde que o design genético original do corpo sempre favorece a continuidade da vida e da proteção contra as adversidades de qualquer tipo, por que a licença de organismo de auto-destruição?

  • Por que quase todos os cancros desaparecem por si mesmos, sem intervenção médica?

  • Nem a radioterapia, quimioterapia e cirurgia realmente podem curar o câncer, ou os sobreviventes. Curam devido a outras razões, apesar de estes tratamentos, serem carregados de efeitos radicais?

  • Que papéis tem o medo, frustração, baixa auto-estima e jogo de raiva reprimida na origem e resultado do câncer?

  • Qual é a lição de crescimento espiritual por trás do câncer?

Câncer parece ser uma doença muito confusa e imprevisível. Ele pode atacar a qualquer um a qualquer momento. Mas quando realmente olhar para as razões por trás do desenvolvimento de células cancerígenas, parece que o câncer não é tão coincidência ou imprevisível quanto parece ser.

A maioria das pessoas com câncer têm um certo padrão de pensamento, acreditando e se sentindo em comum. A maioria deles se sentir sobrecarregado por uma auto-imagem pobre, conflitos não resolvidos e preocupações e conflitos emocionais passado ou trauma que ainda permanece em sua mente subconsciente e memórias celulares. Câncer, a doença física, geralmente ocorre quando há uma forte corrente de mal-estar emocional e frustração profunda.

Câncer pode realmente ser uma forma de revelar a origem do conflito não resolvido, interior.  Câncer pode ajudar as pessoas a curar longa vida conflitos e problemas. A maneira de tirar as ervas daninhas é retirá-los juntamente com suas raízes. É assim que devemos tratar o câncer; caso contrário, ele pode recorrer eventualmente.

Câncer não vai levar uma pessoa a ficar doente; é a doença da pessoa que causa o câncer. Com sucesso o tratamento do câncer requer que o paciente se torne inteiro de novo em todos os níveis de seu corpo, mente e espírito.

A verdadeira cura do câncer não é destruindo  outras partes vitais do corpo. Isso acontece somente quando a causa do crescimento excessivo de células de cancro tenham sido removidos ou interrompidos. A maioria das pessoas tratar o câncer se fosse uma doença, em vez de atender a suas causas profundas.

Para mais informações veja o livro do mesmo nome.

 

Potente tratamento Anti-câncer

POTENTE TRATAMENTO QUE RESTAURA A IMUNIDADE ORIGINAL TEM TIDO ALTOS RESULTADOS EM CÂNCER, AUTISMO, INFLAMAÇÕES E DOENÇAS DEGENERATIVAS

Por Fabian Laszlo

 É um  potente elemento produzido pelo sistema imunológico que é capaz de restaurar um sistema imunológico perdido ou danificado ao seu estado original, de quando éramos crianças.  Sem produção de GcMAF o sistema imunológico não funciona.

 Têm sido utilizado na terapia de Câncer com altos níveis de resultado de cura. Em inflamações crônicas sem solução, autismo e outras doenças.

É algo novo, relativamente barato se comprarmos a uma quimioterapia e altamente funcional, além de que não detona o corpo.

“GcMAF modifica a expressão de vários genes em células que expressam o receptor da vitamina D, o que exp…lica que pode ser eficaz numa ampla variedade de condições que vão desde o câncer, autismo, esclerose múltipla, CFS, doença renal crónica, doenças neurológicas, tais como Parkinson e Alzheimer e condições associadas com poluições ambientais.”
Professor Ruggiero, MD, PhD. Biólogo Molecular

 

Têm sido utilizado na terapia de Câncer com altos níveis de resultado de cura. Em inflamações crônicas sem solução, autismo e outras doenças.

É algo novo, relativamente barato se comprarmos a uma quimioterapia e altamente funcional, além de que não detona o corpo. O preço médio é de 3mil reais um tratamento que pode mudar ou salvar uma vida.

Vale a pena ver e se estiver doente, tentar:
http://www.gcmaf.eu/

Inclusive veja o vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=D1WZrnCcH24
Onde macrófagos ativados pelo GcMAF devoram vorazmente células cancerosas que antes eles não atacavam. 

O que é GcMAF?
GcMAF é uma proteína produzida por todas as pessoas saudáveis.

Por que algumas pessoas não fazem mais GcMAF?
Tipos de câncer e vírus enviam uma enzima chamada Nagalase que neutraliza a capacidade do corpo para fazer GcMAF. (sem GcMAF nosso sistema imunológico vai para dormir)

O que podemos fazer se nós já não fazem GcMAF?
Fazemos GcMAF fora do corpo e, em seguida, administramos a ele.

Como GcMAF trabalha com Câncer? 

1. GcMAF estimula as células brancas do sangue chamadas de macrófagos, para atacar e digerir os cânceres.

2. GcMAF inibe diretamente a proliferação de células de câncer e potencial metastático.

3. GcMAF reverte diretamente as células cancerosas de volta para as células saudáveis.

4. GcMAF inibe diretamente a angiogênese induzida por células de câncer (para o crescimento de novos vasos sanguíneos que nutrem tumores).

Março-2013-058